Saúde e DDHH
01/10/2018
Ato na Cinelândia, nesta terça (02/10), relembra a repressão da PM contra os profissionais da rede municipal-RJ

Nesta terça, dia 2 de outubro, a partir de 17h, os profissionais de educação das escolas públicas do Rio de Janeiro farão um ato público, na Cinelândia, para relembrar dos acontecimentos ocorridos há cinco anos, naquela mesma praça. No dia 1º de outubro de 2013, os governos estadual e municipal utilizaram a Polícia Militar e a Guarda Municipal para implantar um verdadeiro estado de sítio, cercando todo o entorno da Câmara Municipal, para evitar que os profissionais das escolas municipais do Rio, profissionais de outras redes e manifestantes do movimento civil acompanhassem a votação do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) da Educação Municipal proposto pelo então prefeito Eduardo Paes. Leia a seguir o panfleto que o Sepe irá distribuir no dia do protesto:

NÃO ESQUECEREMOS!

Na Cinelândia, há cinco anos, milhares de profissionais da educação se reuniram em torno da Câmara Municipal para protestar contra a aprovação de um plano de carreira proposto pelo então prefeito Eduardo Paes, que não atendia às reivindicações históricas da categoria. A educação do município estava em greve há quase dois meses.

O descaso com a educação dos filhos dos trabalhadores que estudam na escola pública, a falta de estrutura nas unidades, o não cumprimento de 1/3 extraclasse, a desvalorização dos funcionários, a perda da autonomia pedagógica e as frequentes perdas salariais foram os principais motivos da greve, que eclodiu dia 8 de agosto de 2013.

A educação municipal resistiu. Fez passeatas históricas, como a que saiu do Largo do Machado e foi ao Palácio da Cidade, na Zona Sul da cidade; realizou assembleias lotadas; dialogou com a população (e recebeu seu apoio); parou o Centro da cidade várias vezes e ocupou a Câmara dos Vereadores assim que o prefeito tentou, pela primeira vez, aprovar o plano de carreira a toque de caixa. 

A PM, cumprindo as ordens de Paes e Cabral, violentamente, retirou os manifestantes de dentro da Câmara para deixar o caminho aberto para aprovação do famigerado plano.

Inconformados, os profissionais da educação voltaram à Câmara Municipal, no dia 1º de outubro de 2013, e encontraram um cenário de guerra: grades, PM sem identificação e ostentando armas de guerra e a maioria dos vereadores subservientes e dispostos a cumprir as ordens do prefeito.

O protesto em torno da câmara naquele 1º de outubro foi um dos episódios mais importantes da greve e na cidade do Rio de Janeiro, naquele ano. Em junho de 2013, milhões de pessoas saíram às ruas de todo Brasil para reivindicar direitos, o fim da corrupção, entre outras tantas pautas.

Esse também foi o espírito da resistência que moveu a categoria a enfrentar as balas de borracha, bombas de efeito moral e gás lacrimogênio. 

Nunca mais esqueceremos a covardia da polícia a mando de Paes contra manifestantes, em sua maioria mulheres, exercendo seu direito constitucional de protestar. 

Por isso, estamos aqui para lembrar o dia 1º de outubro como um dia de luta contra o autoritarismo e de defesa da educação pública do Município do Rio de Janeiro. Continuaremos na luta por uma educação pública, gratuita e de qualidade.

O SEPE SOMOS NÓS NOSSA FORÇA NOSSA VOZ!

Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do RJ
Endereço: Rua Evaristo da Veiga, 55 - 8º andar - Centro - Rio de Janeiro/RJ
Telefone: (21) 2195-0450